Posso temperar a comida do bebê?

 
bigstock-Turkey-Chili-168338621.jpg
A gente sabe que a alimentação dos bebês é cercada de regras e tabus, né? Entre os muitos mitos criados, está aquele relacionado ao sabor da comida que é oferecida na introdução alimentar. A ideia de que alguns temperos seriam muito fortes e, portanto, não poderiam ser adicionados na comida dos bebês é muito comum. E não deveria ser assim!

Além de não haver contraindicação de uso, os temperos naturais possuem uma infinidade de propriedades medicinais, agregam valor nutricional e ampliam a experiência sensorial da alimentação.

O bebê é uma página em branco também no que diz respeito ao paladar. Ele está descobrindo o mundo pela boca, ávido por todas as sensações que ela pode promover e o alimento é parte importante de todo esse aprendizado. Podemos ajudá-los a criar um paladar diversificado e aberto, basta dar oportunidade! Privar o bebê de sabores não é necessário. Eles podem e devem comer comida gostosa, refogada, temperada, com sabores variados, cores diversas!
 

“Mas e pimenta, também pode?”

Sim, podemos usar alguns tipos de pimenta que são mais aromáticas, com um poder de ardência menor, como a pimenta do reino ou a pimenta branca.  Sempre em bem pouca quantidade para que não provoque ardência, pois pode ser desagradável. Só não vale usar sal (em menores de um ano) e temperos industrializados, ok?! Aliás, os industrializados a gente sabe que não deveriam estar na alimentação de ninguém, nem dos adultos!
Mas eu sei também que muitas pessoas não possuem nenhuma prática com os temperos e encontram grande dificuldade em combiná-los! Então eu trago aqui uma lista de algumas ervas e especiarias com suas respectivas propriedades medicinais e nutricionais e algumas formas de utilização para que vocês passem a incluir na rotina da família de vocês. Usem sem medo, ousem, descubram vocês também suas combinações preferidas e ganhem sabor e saúde!
 

Assortment Of Fresh Herbs
Ervas frescas dão sabor e aroma especial aos alimentos!

LOURO

Muito conhecido pelo seu uso no feijão, também vai bem em ensopados, carnes assadas, guisados. É componente do Bouquet garni, uma combinação de ervas utilizada na gastronomia para dar sabor a caldos e sopa.
Como seu sabor é intenso, em geral uma folha de louro basta para conferir sabor. Deve ser adicionado no início do preparo, pois libera aromas bem lentamente. A folha deve ser retirada antes de servir.
Propriedades: favorece a digestão e a eliminação de gases. É antirreumático, interessante no tratamento de gripes e resfriados.
 

ALECRIM

Tem sabor pronunciado e deve ser usado com cautela para não sobressair muito no resultado do prato. Como suas folhas são duras, o ideal é retirá-las antes de servir. Além das folhas, ramos inteiros podem ser adicionados no preparo.
Combina com carne vermelha, frango, carne suína, carnes de caça e legumes assados, especialmente batatas. É usado em marinadas de carnes e frango.
Propriedades: melhora da memória, expectorante, ajuda em problemas respiratórios. Seu chá favorece a digestão.
 

MANJERICÃO

Muito conhecido por seu uso na culinária italiana, o manjericão é extremamente aromático e de sabor suave. Deve ser usado preferencialmente fresco e adicionado no final do preparo.
Complementa pratos que levam cebola, orégano, alho ou azeite. Combina muito com tomate, omeletes e é ingrediente principal do molho pesto.
Propriedades: diurético, melhora digestão, protege o fígado e é um bom antioxidante.
 

CEBOLINHA VERDE

Pertence à família do alho, cebola e alho-poró. Costuma acompanhar a salsa em diversos pratos, o famoso cheiro verde.
Cortada em pequenas rodelas para realçar o sabor, deve ser adicionada no final do preparo e é ótima para decoração de pratos. Pode ser usada em saladas, omelete, sopa, molhos, arroz.
Propriedades: rica em vitamina A, B3, e C e cálcio. Apresenta atividade antioxidante.
 

ACAFRÃO DA TERRA

É derivado de uma raiz de cor forte alaranjada, da mesma família do gengibre. Possui sabor forte e é muito pesquisado por suas propriedades terapêuticas. Normalmente é utilizado o pó, adicionado no final do preparo (assim suas propriedades são mais conservadas) em arroz, peixes, frutos do mar, frango, sopas e molhos.
A curcumina, um dos seus componentes ativos, é melhor ativada na presença de pimenta do reino, por isso é válido usar as duas especiarias juntas na preparação.
Propriedades: é rico em beta-caroteno, um precursor da vitamina A com efeito antioxidante. Possui forte ação anti-inflamatória. Contribui para redução do colesterol LDL e do triglicerídeo. Melhora a imunidade, tem ação anticancerígena e antioxidante. 1 colher de café ao dia é suficiente para redução dos marcadores de inflamação.
 

CANELA

Pode ser utilizada no preparo de alguns pratos salgados como guisados, carne moída, massas, purês, risotos e molhos. Mas aqui no Brasil costumamos usar em preparações doces. Para os bebês, pode ser adicionada na banana ou na maçã, por exemplo. Confere um sabor quente e acolhedor aos pratos.
Propriedades: contribui para regulação do metabolismo de açúcar, regularizando os níveis de açúcar no sangue. Possui ação antioxidante e anti-inflamatória.
 

GENGIBRE

Possui sabor picante e marcante. Pode servir para aromatizar carne ensopadas, peixes e frutos do mar, sucos, legumes, risotos.
Por ser uma raiz, utiliza-se em pequenas lascas, ralado ou em pó. Para que se mantenha o princípio ativo, o ideal é ralar na hora do preparo.
Propriedades: fonte de vitamina B3, B6 e C, magnésio, selênio e zinco. Possui ação antioxidante e anti-inflamatória importantes. Melhora a digestão, desempenho mental e auxilia na redução da fadiga.
 
Para utilizar na prática, a receita do clássico caldo de legumes que pode ser usado como base de diversos molhos, sopas e outros pratos que levem caldo:
 

CALDO DE LEGUMES CASEIRO

 
Ingredientes
– 2 cebolas picadas
– 2 cenouras pequenas picadas (ou 1 grande)
– 1 talo de salsão picado (aipo)
– Alho poró (parte verde – folha)
– 2 dentes de alho descascados
– 5 litros de água
– 1 bouquet garni (Louro, salsa, folha do alho poro e outras ervas de preferência)
 
Modo de preparo
Coloque os legumes na panela, acrescente a água e o bouquet garni. Deixe cozinhar sem ferver por 40 a 60 minutos. Aguarde esfriar, separe em potes de vidro ou forminhas de silicone e congele para utilizar em diferentes dias e tipos de preparação!

 
Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)
face-ads-2

Sobre a autora

Aline Padovani é docente, escritora e palestrante, fonoaudióloga de formação, com graduação e mestrado pela FMUSP/SP e Educadora Parental pela Discipline Positive Association.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *